quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Estive Presente no 1º Fórum Municipal de Políticas Sobre Drogas - São Sepé/RS

Hoje eu (Sérgio Marion) o delegado Vladimir e Bibiana Palmeiro, estivemos participando em São Sepé do 1º Fórum Municipal de Políticas Sobre Drogas - São Sepé/RS, onde ouvimos os palestrantes Dr. Volnei da Soller - Psicanalista, Dr. Ricardo Rossato - Sociólogo e professor da UFSM e o Tenente Coronel Rangel - Presidente do CONED-RS. Observamos vários aspectos positivos, colhemos várias idéias para implementarmos em nosso COMAD, o fórum foi um sucesso, nossos parabéns ao COMAD de São Sepé/RS pela realização do Fórum.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Minha posição sobre não coligar na proporcionar com o PPL gera manifestações

Minha postagem sobre minha posição e de outros companheiros contrários a não coligação na porporcional em especial com o PPL é mencionado no blog do Júlio Prates veja: http://julioprates.blogspot.com/2011/11/marion-diz-que-e-contra-coligar-na.html e tenho recebido várias opiniões por e-mail como entre conversas com companheiros e amigo(a)s, abaixo algumas delas.
 
"Caro companheiro Marion, acredito que essa posição, com todo o respeito, é equivocada. A coligação com o PPL, também na proporcional, será importantíssimo para fortalecera vitória na majoritária e viabilizar uma representação forte da esquerda local na Câmara de Vereadores; o PT e o PPL sairão ganhando com isso, com certeza. Sugiro que os companheiros reavaliem, com todo o cuidado neceessário, essa questão, que é das mais centrais neste debate". Abraço.
Júlio Garcia 

"Eu só acho que o PT deveria se coligar com o PPL, senão o vereador Bianchini corre o risco de não atingir cociente eleitoral e ficar fora, repetindo o caso Luciana Genro. Era só o que faltava".  
Júlio Prates

"...coligar na proporcional é trabalhar para o bianchini...ele certamente fará acima de 1.500 votos e o PT ajudará ele a fazer legenda e não elegerá ninguém... "
Opinião mais repetida entre conversa entre amigo(a)s 

Agradeço a opinião dos companheiros e amigo(a)s, mas reafirmo minha posição, sou contra.

sábado, 26 de novembro de 2011

PT ganha reforço em seu quadro político

Está de volta a Santiago o companheiro João Silveira que esteve 25 anos fora, joão é militante desde 1982, foi vereador na cidade de Sertão/RS, concorreu a deputado estadual em 1994 e está residindo a 7 meses em Santiago, João disse que está a disposição do partido para somar forças, com certeza o partido só tem a ganhar com este novo quadro, seja bem vindo companheiro.

PT terá chapa completa para vereadores nas próximas Eleições Municipais

Algumas lideranças locais defendem coligação também na proporcional em especial com o PPL, entretanto lideres como joão Silveira, Getúlio Prestes, eu (Sérgio Marion) entre outros, somos contrários a está idéia, nossa justificativa se baseia que com o aumento do numero de vagas na camara o partido é auto suficiente para ter representantes no legislativo local, foi sugerido pelo companheiro João Silveira a criação de um núcleo com os pré-candidatos a vereadores com o objetivo de qualificar o debate entre os companheiros, neste mesmo sentido de qualificar a militância é que realizamos hoje com sucesso o seminário de formação politica ministrado pelos companheiros Marcos, Adriano e Roberto ambos de Porto Alegre.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Convite Gabinete Dep. Alexandre Lindenmeyer - Mobilização pela não violência contra a Mulher

Participe!
Maiores informações acesse: http://www.alexandrelindenmeyer.com.br/
ou Praça Marechal Deodoro, 101. Sala 1001 - Porto Alegre/RS - Cep: 90010-300 
Telefone : 
(51) 32102326 - E-mail: alexandre.lindenmeyer@al.rs.gov.br

Amigo Joel na posse do Deputado Ernani Polo

E-mail recebido do meu amigo Joel,


PREZADO AMIGO:

Estivemos na posse do Deputado Ernani Polo(o qual tomou posse na vaga deixada do nosso querido Chicão) em Porto Alegre, representando a nossa cidade de  Santiago , bem como toda a região do Vale do Jaguari. Ficamos muito felizes porque o novo deputado na sua fala demonstrou respeito, carinho e admiração pelo trabalho desenvolvido por chicão tanto no municipio como na Assembleia Legislativa do nosso estado e renovou novamente o interesse de lutar pelas mesmas causas defendidas por ele nesta  região, bem como fazer d tudo para honrar os projetos e anseios deixados por esta liderança ímpar que sempre teve como primazia o bem comum, coloca o gabinete(que não é seu e sim do povo gaucho) a inteira disposição de toda comunidade do vale do jaguari como também das lideranças políticas, para que ali encontre um defensor dos anseios tantos almejados por todos nós. Terá como bandeira a agricultura, os coredes, a micro e pequena empresa e a geração de trabalho e renda e será um defensor ferrenho do municipalismo, porque entende que é no municipio que vivem as familias e é nele que devem permanecer ajudando no crescimento do mesmo. Agradeceu a todos os gauchos e gauchas que confiaram o seu voto á sua pessoa, tbm ao presidente Celso Bernanrdi, ex pres. Bertulucci e a senadora Ana Amelia Lemos, ao seu pais e a sua esposa e filhos. Lutou muito por este momento mas jamais pensou que fosse desta forma a sua chegada ao parlamento gaucho, diz ter no sangue a boa política e tbm fez mençao na cidade de santo augusto sua terra, onde começo a dar os primeiros passos na vida politica, com seu pai prefeito Alvorindo Polo, sua mãe ex vice prefeita Iracer Polo e demais lideranças daquele local.
            Por fim queremos em nome do deputado Ernani Polo tbm se colocar a disposição dos munícipes para que juntos numa só força podemos reivindicar recursos para o desenvolvimento da nossa santiago e tbm da nossa região. Um abraço do tamanho do rio grande.

                                           Joel de Oliveira

Convite

(Clique na imgagem para ampliar)

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Não publico comentários anônimos

Recebi um comentário anônimo sobre a postagem da falta do serviço de transporte coletivo nos bairros dos Eletricitários e Atalaia, sinto muito, mas não publico comentários anônimos, comente novamente e coloque seu nome.

Bairros dos Eletricitários e Atalaia, não possuem serviço de Transporte Coletivo

 Hoje estive visitando e ouvindo os moradores dos bairros dos Eletricitários e Atalaia, onde ouvi reivindicações comuns entre os moradores, a principal delas, a falta de transporte coletivo, no bairro dos Eletricitários os moradores me relataram que já ouve a tentativa de se ter o transporte coletivo, mas não houve êxito, devido a pouca procura, entretanto a maioria dos moradores gostariam que volta-se novamente, no bairro Atalaia os moradores me informaram que já houve uma reunião a tempos atrás para discutirem a viabilidade da circulação do transporte coletivo, mas até o momento nada do serviço, neste mesmo bairro me relataram que ha falta de iluminação publica, os correios não passam e a segurança publica é pouco presente, ambos os bairros possuem transporte escolar. Fazendo um resumo após ouvir os moradores destes bairros, cheguei a conclusão de que o poder publico esta em divida com estes moradores, pois transporte publico é um direito de todos, e talvez apenas estes dois bairros não possuem este serviço em nossa cidade, se o motivo por não ter seja a pouca procura (não lucrativo para a empresa), de que se tenha horários especiais, o importante é de que o serviço esteja disponível.

Bairro dos Eletricitários
Manuel dos Santos Corpes (Chapéu)
“...Muitas vezes levo meu filho de carroça ao CAPS onde ele faz tratamento, me prometeram colocar luz na minha casa, mas até agora nada.”
  Analete Brum Lopes
“Transporte escolar passa, o recolhimento do lixo também, água também temos, o que nos falta mesmo é o ônibus.”

Bairro Atalaia
Sandra Mara Santos
“Falta iluminação publica, transporte coletivo, canalização da sanga, já arrombaram varias vezes minha casa, falta policiamento no bairro...”

Danira Vaz de Oliveira
“Não entra os correios, já houve vários projetos para a linha do ônibus, mas até agora estamos esperando, ônibus escolar tem...”

Bairro Atalaia
Placas com nomes das ruas, mas segundo moradores o serviço dos Correios não entram
 A ponte precisaria de melhorias para a passagem do transporte coletivo

sábado, 19 de novembro de 2011

Mano Menezes visita Lula

Foto: Ricardo Stuckert/Instituto da Cidadania

O técnico da Seleção Brasileira, e ex-técnico do Corinthians, Mano Menezes, foi até a casa do ex-presidente Lula, em São Bernardo do Campo, na tarde desta sexta-feira (18). Lula recebeu Mano vestido com a camisa do Corinthians e foi presenteado com uma da Seleção, autografada com a mensagem: “Força eterno presidente Lula. Contamos com você em 2014. Abraço do amigão, Mano Menezes”.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

INCLUSÃO DE FUNCIONÁRIOS NO PLANO

  Na campanha eleitoral do ano passado quando o então candidato ao governo do estado Tarso Genro esteve em Santiago no CTG Os Tropeiros, eu juntamente com a candidata a deputada Estadual Maria Celeste e com várias funcionárias de escola juntos entregamos a revindicação de inclusão dos funcionários de escola que estavam fora do Plano de Carreira dos Servidores, onde Tarso Genro se comprometeu em atender a revindicação, compromisso feito, compromisso cumprido, pois já está em tramitação na Assembléia o projeto do Governo que Inclui no Plano de Carreira 563 servidores de escolas estaduais, que desde 2001 lutam para entrar no Quadro de Servidores de Escola, fiquei feliz pois só em Santiago vários funcionários serão beneficiados.

COMAD - Teve reunião hoje

Foto: Sérgio Marion
Hoje participei da reunião do COMAD (Conselho Municipal Anti-Drogas), tratamos de vários assuntos, idéias, projetos entre outros assuntos de interesse do conselho, também foi lembrado pelo Presidente do Conselho o delegado Vladimir a grande contribuição que o Deputado Chicão deixou "Se o Conselho hoje esta formado é graças a contribuição do Deputado Chicão..." lembrando o Seminário de Combate ao Crack e outras Drogas Ilícitas idealizado pelo mandato do Deputado Chicão realizado em São Vicente do Sul e Santiago em parceria com a Secretaria de Justiça e dos Direitos Humanos, a próxima reunião do COMAD ficou marcada para  o dia 04 de Dezembro.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Informativo digital da Bancada do PT na Assembleia/RS

Governo garante aprovação de medidas para alavancar economia gaúcha
Apoiar a chamada nova economia sem descuidar dos setores produtivos tradicionais. É assim que o governo Tarso pretende levar o Rio Grande do Sul a um novo patamar de desenvolvimento econômico e social. Para isso, enviou à Assembleia Legislativa um conjunto de propostas para atrair novos investimentos, valorizar as empresas locais e incentivar a inovação. Todas foram aprovadas por unanimidade.
Ao todo, são quatro projetos de lei. Embora um deles trate do Fundo Operação Empresa (Fundopem), o plano do Executivo não se restringe à concessão de benefícios fiscais. Além de reduzir juros para o setor produtivo, o plano estabelece uma política institucional para fomentar a economia da cooperação, setor em que o Rio Grande do Sul é destaque nacional tanto no número de empreendimentos quanto no volume de recursos envolvidos.
 I - Novo Fundopem
Mais atrativo e menos burocrático
As mudanças propostas no Fundopem visam a adequar um dos instrumentos de promoção do crescimento econômico à disposição do governo do Estado ao novo modelo de desenvolvimento em curso no Rio Grande do Sul. O propósito é assegurar competitividade à economia gaúcha, agregando inovação e tecnologia aos setores tradicionais, atraindo novos investimentos para complementar nossa base produtiva e fomentando setores considerados prioritários, como por exemplo a indústria oceânica (atividade voltada à concepção, operação e manutenção de estruturas de exploração de recursos marítimos, especialmente, petróleo e gás) e os setores automotivo, calçadista e moveleiro. 

Além de ampliar benefícios fiscais para os setores estratégicos, o novo Fundopem renova o seu conteúdo social, ao estabelecer a massa salarial (soma dos salários pagos pela empresa no período de 12 meses) como condicionante para a concessão dos incentivos.

Principais mudanças 
1 - Ampliação dos benefícios
Com as mudanças propostas pelo governo, todos os setores produtivos considerados prioritários (automotivo, moveleiro, coureiro-calçadista, agroindustrial e indústria oceânica) poderão usufruir do Fundopem, do Integrar/RS e do Pró-Inovação simultaneamente. Assim, poderão utilizar 75% do ICMS incremental para financiar novos investimentos e pagar salários por dois anos. Até agora, a prerrogativa era concedida apenas à cadeia do Polo Naval.
2 - Mais benefícios para quem paga melhores salários
Um dos critérios de pontuação das empresas no novo Fundopem será a qualidade do emprego e não apenas o número de postos de trabalho gerado. A proposta do governo acrescenta a massa salarial como condicionante de concessão de benefício, valorizando empresas intensivas em conhecimento que tenham boas práticas de relações do trabalho e que invistam na qualificação de seus trabalhadores.
3 - Mais incentivos para quem compra de empresas locais
O projeto permite a utilização de até 90% do ICMS incremental para financiar implantação ou ampliações de plantas industriais. No entanto, para poder financiar o percentual previsto pelo novo Fundopem, a empresa terá que adquirir máquinas, equipamentos e demais insumos produzidos no Rio Grande do Sul. Com isso, o governo pretende criar uma sistemática que leve empresas investidoras a buscar parcerias locais para o fornecimento de bens e serviços, ampliando a capacidade de multiplicação do investimento e promovendo o desenvolvimento local e regional.
4 - Aumento do subsídio nas operações de crédito
O projeto do governo amplia o subsídio nas operações de crédito vinculadas a empreendimentos industriais, agroindustriais e centros de pesquisa e de desenvolvimento tecnológico. A legislação atual permite o subsídio apenas para os juros. Com a alteração proposta pelo governo, outros custos financeiros, como tarifas bancárias, taxas de administração financeira, correção monetária e IOF, também poderão ser subsidiados.
A mudança atinge ainda empresas que comercializam produtos nas áreas da saúde e biotecnologia. A legislação em vigor abrange apenas empresas ligadas à produção nestas duas áreas.
5 - Aumento do prazo de fruição dos benefícios
O projeto do governo permite que o tempo de fruição dos benefícios seja ampliado por período equivalente a até 50% do prazo inicial para que as empresas possam financiar todo o investimento previsto (instalação ou ampliação).
6 - Apoio às cooperativas
As cooperativas terão tratamento diferenciado, podendo usar até 100% do ICMS incremental para financiar novos investimentos. Hoje, o limite é de 90%. Os custos financeiros de operações realizadas por cooperativas também poderão ser reduzidos.
Os empreendimentos incentivados, de acordo com a proposta do governo, deverão desenvolver sua própria cadeia de fornecedores, evitando a competição predatória com as empresas do Estado. Também é assegurada a participação da OCERGS no Conselho Diretor do Fundo.
7 - Integrar/RS para setores estratégicos
Para desenvolver as regiões mais deprimidas, o governo do Estado irá ampliar os incentivos especiais previstos no Integrar/RS. Os percentuais de abatimento, que hoje oscilam de zero a 70%, passarão a ser de 10% a 90%. Esses valores também irão variar de acordo com a geração de empregos/salários e à preservação ambiental.

Em caráter excepcional e com a aprovação de 4/5 do Conselho Diretor do Fundopem, poderão se beneficiar dos incentivos os empreendimentos que:
  • mesmo fora de regiões economicamente deprimidas, se instalem em município cujo indicador de desenvolvimento seja inferior à média estadual
  • sejam estratégicos para o desenvolvimento do Estado e necessitem de condições especiais de infraestrutura e logísticas, inexistentes nas regiões mais pobres.
II - Investe-RS
Juros menores para quem produz
O Programa de Promoção do Investimento (Investe-RS) atende a um dos principais clamores do setor produtivo: a redução dos juros e dos encargos financeiros. O projeto do governo oferece até 3% ao ano a título de subsídio para reduzir as taxas praticadas pelo BNDES, que variam de 4% a 10% ao ano. Com isso, as empresas gaúchas poderão contratar empréstimos com juros ainda menores, entre 1% e 7% ao ano.
A equalização já é praticada por outros estados. A ausência deste instrumento no Rio Grande do Sul vem sendo apontada como um dos fatores que diminui a competitividade das empresas locais.
O BNDES dispõe de cerca de R$ 1 bilhão para financiar o setor produtivo gaúcho. E o governo do Estado está disponibilizando R$ 30 milhões para reduzir os juros.
III - Apoio aos pequenos
Uma política de fomento à economia da cooperação
O governo do Estado está estabelecendo também a Política Estadual de Fomento à Economia da Cooperação para estimular a formação de redes de desenvolvimento econômico e social e fortalecer o cooperativismo gaúcho. Para se ter uma ideia da importância do setor, o Rio Grande do Sul tem mais de 200 cooperativas, que agregam 200 mil associados e movimentam R$ 8 bilhões por ano. O valor equivale a cerca de 5% do PIB do Estado.
Berço da economia da cooperação, nosso estado conta com, pelo menos, duas experiências consagradas - o Programa Redes de Cooperação e a Associação Viaredes.
Criadas em 2000 pelo governo Olívio Dutra, as Redes de Cooperação são uma alternativa para que micro, pequenas e médias empresas se mantenham no mercado. A associação de empresas na forma de redes permite a operacionalização de ações conjuntas que não seria possível de forma isolada, assegurando ganhos em escala, especialmente, na área das compras.
Por meio do programa, foram instituídas 240 redes no estado, envolvendo cinco mil empresas, que geram 46 mil empregos diretos e faturam mais de R$ 5 bilhões por ano. Algumas delas atuam no mercado nacional, como a rede de autopeças, que está entre as 30 maiores distribuidoras do País.
Já a Viaredes reúne redes empresariais voltadas ao desenvolvimento de negócios e à difusão de inteligência cooperativa. Já são 20 redes, que reúnem 1800 empresas de mais de 20 segmentos em 250 municípios. A Viaredes assegura 16 mil empregos diretos e fatura R$ 2 bilhões por ano.

Programas de apoio à economia da cooperação 
Para estimular a proliferação de experiências baseadas na economia da cooperação, o projeto do Executivo prevê a criação de cinco programas setoriais, que atualizam as políticas públicas voltadas para este setor:
- Programa de Cooperativismo
Prevê assistência técnica, profissionalização e a instituição de política de crédito e tributária para as cooperativas.
- Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais
Assegura extensão produtiva, capacitação de gestores, rede de oferta de serviços e fundo especial para apoiar os arranjos produtivos locais.
- Programa de Microcrédito
Beneficia microempreendedores populares, agricultores familiares, microempresas e pessoas físicas e jurídicos, cuja atividade produtiva tenha faturamento de até R$ 120 mil por ano. As operações poderão ter garantia do Fundo de Apoio à Microempresa, ao Microprodutor Rural e à Empresa de Pequeno Porte (FUNAMEP) ou contar com aval solidário, alienação de bens ou fiança.
Os recursos serão oriundos do FUNAMEP, orçamento do Estado e dos próprios agentes financeiros.

- Programa Redes de Cooperação
Prevê assistência técnica, profissionalização e a instituição de política de crédito e tributária para as cooperativas.
- Programa de Economia Popular e Solidária
Pretende incentivar a proliferação de empreendimentos econômicos solidários que tenham por base a autogestão na organização da produção, comercialização e administração do negócio. Visa também a formação de cadeias produtivas solidárias, a certificação da produção e o incentivo ao consumo dos produtos oriundos deste segmento econômico.
IV - Apoio aos Arranjos Produtivos Locais
O governo criou também o Fortalecimento dos Arranjos Produtivos Locais (FUNDOAPL). Os recursos serão provenientes de dotações orçamentárias do Estado e de recursos financeiros da União, dos estados, dos municípios, além de contribuições e doações de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado.
As empresas contribuintes serão compensadas por meio de apropriação a título de crédito fiscal presumido em até 100% do valor da doação ao fundo, respeitando o montante anual de R$ 900 mil em cada APL.
O projeto representa o esforço do Executivo para promover a solidariedade, a cooperação, o associativismo e o fomento aos Arranjos produtivos Locais como meio de fortalecimento da atividade econômica e, principalmente, das pequenas e médias empresas.
 Fonte: Bancada Estadual do PT na AL/RS  www.ptsul.com.br



PT lamenta a morte de Chicão

Estive uns dias fora da net, mas não poderia deixar de expressar minha tristeza pela trajédia ocorrida com o Deputado Chicão, sempre o respeitei, também admirava sua maneira de tratar com as pessoas independente de sua posição social, e ele sabia que a comunidade de Santiago o admirava, tanto que dos 30 mil eleitores, 21 mil confiaram seu voto a ele, e dos 9 mil que optaram por outros candidatos (onde me incluo) por ideologias políticas ou outras afinidades com certeza também o admiravam. Portanto fica aqui minha solidariedade e oro a Deus que venha consolar os corações de seus familiares.


Nota Oficial do Partido dos Trabalhadores de Santiago/RS
O Partido dos Trabalhadores de Santiago presta solidariedade aos familiares do deputado estadual José Francisco Gorski (Chicão), vítima fatal de acidente automobilístico na madrugada deste domingo. Ele era filiado ao Partido Progressista e foi prefeito de Santiago por dois mandatos. Apesar de PT e PP não serem aliados políticos, o PT vem a público reconhecer a contribuição que o ex-prefeito deu ao nosso município e lamenta sua morte, uma vez que nossas diferenças se justificavam apenas no campo das ideias.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

STF mantém regra de reajustes do salário mínimo por decreto

Por oito votos a dois, ministros decidiram que lei aprovada em fevereiro é constitucional | Foto: Gervásio Baptista / SCO / STF


O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (3) que a lei que permite ao Executivo reajustar o salário mínimo por decretos entre 2012 e 2015 é constitucional. Por oito votos a dois, os ministros rejeitaram a ação conjunta de PPS, PSDB e DEM, que pretendia derrubar a lei que vigora desde fevereiro, sob a alegação de que o salário mínimo deve ser fixado por lei específica para cada aumento.

Na ação dos partidos oposicionistas, alegava-se que o dispositivo proposto pelo governo federal é inconstitucional, na medida em que ofende o disposto no no artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal, que exige que salário mínimo seja fixado por “lei em sentido formal”. No entendimento da maioria dos ministros do STF, esse argumento não é válido, uma vez que o reajuste por decreto não dará à Presidência da República liberdade para determinar o novo valor.
“A Presidente da República não pode aplicar índices diversos da lei aprovada pelo Congresso”, observou a ministra Cármen Lúcia, relatora do processo. Em seu voto, a ministra endossa argumento da Procuradoria Geral da República (PGR), Advocacia Geral da União (AGU), Câmara e Senado Federal. Segundo eles, o Executivo não fixa o mínimo, apenas calcula matematicamente o valor com base em parâmetros fixados pelo Congresso Nacional.
Os ministros Luiz Fux, José Antonio Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Joaquim Barbosa, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Cezar Peluso acompanharam o voto da relatora. Carlos Ayres Britto e Marco Aurélio Mello votaram pela inconstitucionalidade da lei, aprovada em fevereiro e que serviu de base para o atual salário mínimo, de R$ 545.
Com informações de STF e Agência Câmara

Charge

Simch

O jornalismo-urubu e a doença de Lula

Por Maria Inês Nassif
Guia de boas maneiras na política. E no jornalismo
A cultura de tentar ganhar no grito tem prevalecido sobre a boa educação e o senso de humanidade na política brasileira. E o alvo preferencial do “vale-tudo” é, em disparada, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Por algo mais do que uma mera coincidência, nunca antes na história desse país um senador havia ameaçado bater no presidente da República, na tribuna do Legislativo. Nunca se tratou tão desrespeitosamente um chefe de governo. Nunca questionou-se tanto o merecimento de um presidente – e Lula, além de eleito duas vezes pelo voto direto e secreto, foi o único a terminar o mandato com popularidade maior do que quando o iniciou.
A obsessão da elite brasileira em tentar desqualificar Lula é quase patológica. E a compulsão por tentar aproveitar todos os momentos, inclusive dos mais dramáticos do ponto de vista pessoal, para fragilizá-lo, constrange quem tem um mínimo de bom senso. A campanha que se espalhou nas redes sociais pelos adversários políticos de Lula, para que ele se trate no Sistema Único de Saúde (SUS), é de um mau gosto atroz. A jornalista que o culpou, no ar, pelo câncer que o vitimou, atribuindo a doença a uma “vida desregrada”, perdeu uma grande chance de ficar calada.
Até na política as regras de boas maneiras devem prevalecer. Numa democracia, o opositor é chamado de adversário, não de inimigo (para quem não tem idade para se lembrar, na nossa ditadura militar os opositores eram “inimigos da pátria”). Essa forma de qualificar quem não pensa como você traz, implicitamente, a ideia de que a divergência e o embate político devem se limitar ao campo das ideias. Esta é a regra número um de etiqueta na política.
A segunda regra é o respeito. Uma autoridade, principalmente se se tornou autoridade pelo voto, não é simplesmente uma pessoa física. Ela é representante da maioria dos eleitores de um país, e se deve respeito à maioria. Simples assim. Lula, mesmo sem mandato, também o merece. Desrespeitar um líder tão popular é zombar do discernimento dos cidadãos que o apoiam e o seguem. Discordar pode, sempre.
A terceira regra de boas maneiras é tratar um homem público como homem público. Ele não é seu amigo nem o cara com quem se bate boca na mesa de um bar. Essa regra vale em dobro para os jornalistas: as fontes não são amigas, nem inimigas. São pessoas que estão cumprindo a sua parte num processo histórico e devem ser julgadas como tal. Não se pode fazer a cobertura política, ou uma análise política, como se fosse por uma questão pessoal. Jornalismo não deve ser uma questão pessoal. Jornalistas têm inclusive o compromisso com o relato da história para as gerações futuras. Quando se faz jornalismo com o fígado, o relato da história fica prejudicado.
A quarta regra é a civilidade. As pessoas educadas não costumam atacar sequer um inimigo numa situação tão delicada de saúde. Isso depõe contra quem ataca. E é uma péssima lição para a sociedade. Sentimentos de humanidade e solidariedade devem ser a argamassa da construção de uma sólida democracia. Os formadores de opinião tem a obrigação de disseminar esses valores.
A quinta regra é não se deixar contaminar por sentimentos menores que estão entranhados na sociedade, como o preconceito. O julgamento sobre Lula, tanto de seus opositores políticos como da imprensa tradicional, sempre foi eivado de preconceito. É inconcebível para esses setores que um operário, sem curso universitário e criado na miséria, tenha ascendido a uma posição até então apenas ocupada pelas elites. A reação de alguns jornalistas brasileiros que cobriram, no dia 27 de setembro, a solenidade em que Lula recebeu o título “honoris causa” pelo Instituto de Estudos Políticos de Paris, é uma prova tão evidente disso que se torna desnecessário outro exemplo.
No caso do jornalismo, existe uma sexta regra, que é a elegância. Faltou elegância para alguns dos meus colegas.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

A Coordenadoria da Juventude, juntamente com a Secretaria da Justiça e dos Direitos Humanos convida você!

2ª Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude
A abertura oficial com o Governador Tarso Genro e o Secretário Fabiano Pereira será as 10h do dia 05/11 (sábado). Participe!
(Click na imagem para Ampliar)
Mais informações acesse: http://juventuders.wordpress.com/

Arquivo do blog